Techmei aborda novas tecnologias industriais

Evento promovido pela Abimei contou com temas como indústria 4.0, robotização e novas tendências no setor

 

A capital paulista sediou nos últimos dias 14,15 e 16, o Techmei, maior congresso de tecnologia industrial do Brasil, promovido pela Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais). O evento foi realizado no hotel Tivoli Mofarrej e contou com 14 palestras que abordaram as principais práticas e tendências do setor industrial, além de debates que incluíram a participação de representantes de grandes empresas do setor e autoridades do governo.

Diversas práticas, tendências e novas tecnologias foram apresentadas por executivos do setor como: Marcelo Garbelotti (GF), Valdecir de Oliveira (GRV Software), Marco Latarola e Carlos Palugan (Doosan), Reinaldo Bonilha (PR2 & han’s Laser), Marcos Ribeiro (Dardi), Fabio Muzzi (Sumitomo Demag), Vinicius Cardoso (Yaskawa), Luiz Bronca e Diogo Corazza (Trumpf). “Os temas apresentados na Techmei foram essenciais para mostrar aos presentes quais as oportunidades disponíveis no mercado e o que está por vir para que a indústria nacional possa se tornar mais competitiva”, comentou Corazza. 

Entre os temas abordados estiveram assuntos em evidência na atualidade como automatização e robotização, indústria 4.0 e novas tecnologias em máquinas e equipamentos para o segmento. O congresso também contou com a palestra “A Necessidade da Tecnologia Global para Melhoria da Competitividade e Produtividade da Indústria Brasileira”, ministrada pelo professor e responsável pela área econômica da Abimei, Otto Nogami, com debate subsequente que envolveu a participação de Caio Megale, Secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, Marilia Garcez, da ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) e Flávio Paiva, CEO da IPC Brasil. 

Paulo Castelo Branco e Ennio Crispino, ambos representantes da Abimei, discutiram em painéis a importância de trazer tecnologia global para melhorar a competitividade e produção industrial brasileira. Um dos tópicos levantados foi a  falta de mão de obra qualificada e como a ausência de treinamentos retarda os avanços tecnológicos no Brasil. “É preciso fazer o Brasil se tornar atrativo para investimentos e competitivo, só assim a indústria crescerá novamente”, sinalizou Paulo em um dos debates sobre os conceitos da indústria 4.0. 

Anúncios

China Machinex e China Homelife Brazil 2019 ocorrem de 17 a 19 de setembro, em São Paulo

Entre os dias 17 a 19 de setembro ocorre simultaneamente em São Paulo as feiras China Machinex e China Homelife Brazil 2019 – considerada a maior feira de bens de consumo chineses no Brasil para empresas brasileiras e chinesas que procuram fazer negócios no País. Os eventos acontecem no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, localizado na Rodovia dos Imigrantes.

A Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais) está apoiando os eventos, que contarão com mais de 800 empresas expositoras, que trarão lançamentos de produtos, ofertas especiais e oportunidades de negócios entre empresários brasileiros e a indústria chinesa, com o auxílio de um time de consultores de importação e tradução gratuita.

Além disso, a feira terá espaço dedicado para os segmentos de: maquinário, eletrônicos de consumo, eletrodomésticos, móveis, agricultura e alimentos, produtos para casa, têxteis e vestuário, materiais de construção e presentes.

A China Machinex e China Homelife Brazil 2019 são organizadas pela Meorient e Expo Solutions, e irão receber visitantes não só do Brasil, mas também de países vizinhos.

Anualmente os eventos são realizados em 12 países, incluindo Turquia, Polônia, México, Egito, Nigéria, Jordânia, África do Sul, Cazaquistão, Quênia, Emirados Árabes (Dubai) e Índia, além do Brasil. A feira conecta mais de seis mil fabricantes chineses com mais de 80 mil compradores em mercados emergentes.

725def1d-df87-4535-888e-39d91db3e2b2

Taitra promove em São Paulo encontro de negócios com empresas de tecnologia de ponta de Taiwan

Aconteceu em 2 de setembro, no Hotel Meliá Paulista em São Paulo, o Encontro de Negócios com Taiwan com a participação de uma delegação multissetorial composta por 14 empresas de alta tecnologia e produtos da indústria e comércio de Taiwan cujo objetivo é identificar importadores, distribuidores e representantes para joint-venture no mercado nacional.

Anualmente, Taiwan promove diversas missões comerciais muito disputadas por suas empresas acostumadas a virem ao Brasil para realizar negócios. Esse interesse é movido pela consideração do potencial do mercado brasileiro, bem como pela consolidação de parcerias firmadas com as empresas nacionais.

Dentre as empresas participantes deste evento, algumas visitam frequentemente o Brasil nas missões organizadas pelo Taitra como Sungreat General (autopeças), Taiwan Hong Yee (têxtil, sacaria e tela anti-insetos) e Palmary Machinery (retificadoras).

Taiwan é um dos principais parceiros econômicos do Brasil na Ásia. Os produtos líderes de exportação do Brasil para Taiwan são: minério, soja, milho, madeira, aço, algodão, couro e granito. O Brasil é o décimo oitavo maior parceiro comercial de Taiwan. Já os produtos que Taiwan exporta para o Brasil são: equipamentos elétricos, equipamentos de registro, LCD, produtos siderúrgicos e produtos de plásticos.

Setores da reunião:

  • Química
  • Têxtil e Fios
  • Ferragens
  • Maquinários e peças
  • Autopeças, Motopeças e Acessórios
  • Elétrico, Eletrônico e Informática

Alguns destaques deste evento são produtos para Cidade Inteligente como a empresa Team Young Technology, que produz sistema remoto inteligente via RF sem fio e Mega-Link que atua com câmera inteligente de sistema de segurança residencial e comercial; monitoramento remoto sem fio por wi-fi com sensor noturno, alerta sonoro e detector de movimento.

A Taitra é entidade semigovernamental sem fins lucrativos, com objetivo principal de promover o comércio bilateral Taiwan-Brasil, com mais de 60 escritórios espalhados pelo mundo.

SEMINÁRIO ABIMEI: NOVO MODELO REGULATÓRIO DO INMETRO

A ABIMEI realizou em 26 de agosto de 2019, o seminário “Novo Modelo Regulatório do Inmetro”. Ministrado pelo Diretor de Avaliação da Conformidade do Inmetro, Gustavo J. Kuster, o seminário foi dirigido a empresários, representantes de entidades de classe e público interessado.

A proposta do novo modelo Regulatório do Inmetro encontra-se sob tomada pública de subsídios (Portaria 322 de 03 de julho de 2019 – disponível no site do Inmetro). O evento, realizado na sede da ABIMEI em São Paulo, foi uma excelente oportunidade para esclarecimento dos possíveis impactos que podem surgir a partir desta alteração.

O Inmetro é responsável pela regulamentação técnica de bens de consumo comercializados no Brasil. Controla sua disponibilização no mercado interno através do registro e anuência de licenças de importação, fiscalização do mercado e aplicação de sanções para as irregularidades encontradas.

Brasil adere ao Protocolo de Madrid

Processo de registro internacional de marcas será desburocratizado e tempo médio pode passar de 30 para 18 meses

 

 O plenário do Senado aprovou em maio um acordo que formaliza a adesão do Brasil ao Protocolo de Madrid, que visa o facilitamento do registro de marcas internacionalmente, por meio da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), ligada à ONU (Organização das Nações Unidas). Com a iniciativa, o processo de registro em 120 países integrados ao Protocolo de Madrid fica menos burocrático. 

 A inclusão do Brasil no Protocolo de Madrid é uma ótima notícia para indústrias e empresas brasileiras, pois para registrar sua marca internacionalmente, o tempo médio que antes era de 30 meses, pode ser reduzido a 18 meses, além de possibilitar uma centralização que permite  administrar mais fácil todo o portfólio da empresa.

 A proteção da marca pode ser requerida em todos os 120 países integrados com um custo reduzido em até 90% e o pedido de registro pode ser feito em apenas um idioma padronizado para o Protocolo de Madrid. As marcas que estão em espera para o processo de registro serão todas quitadas rapidamente. Com a adesão, as empresas também têm a possibilidade de realizar modificações em marcas já registradas.

 O órgão do Ministério da Economia INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) é o responsável pelo registro de marcas industriais no Brasil, e a partir de  agora contará com avanços tecnológicos e modificações para se adaptar ao Protocolo de Madrid. 

 A indústria brasileira assim como outros segmentos é diretamente beneficiada pela adesão do Brasil no Protocolo de Madrid, pois com a desburocratização de registro de marcas no exterior, a competitividade industrial aumenta, já que haverá um estímulo maior para a internacionalização de marcas. 

Abimei Participa do Pré-Lançamento de Feira de Bens de Consumo Chineses

Paulo Castelo Branco palestra para a China Homelife & China Machinex 2019

 No dia 14 de agosto, Paulo Castelo Branco, Presidente Executivo da Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais), palestrou  na Associação Comercial de São Paulo, no evento de pré-lançamento do China Homelife & China Machinex 2019, feira que ocorre entre os dias 17 e 19 de setembro no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center.

 Em sua palestra, Paulo falou sobre a importância do mercado chinês no Brasil, o posicionamento da Abimei em relação às máquinas e qual seu engajamento com as iniciativas do governo brasileiro. Também foram discutidos assuntos como diversificação de produtos, a possibilidade de promover negócios e segurança jurídica que os compradores terão em fazer negócios via este canal.

 Organizada pela Meorient International Exhibition, a Expo Solutions promove o evento em mais de 11 países e  este ano contará com cerca de 800 empresas expositoras. A feira possibilita que empresários brasileiros consigam fazer negócios com a indústria chinesa sem precisar ir até a China.

 A China Homelife & Machinex 2019 conta somente com fabricantes de confiança, pois há um rigoroso controle de qualidade; é um dos mais relevantes eventos do segmento e um dos que colabora para as melhorias do setor industrial, já que a China hoje é a maior nação exportadora do mundo.

Acordo Mercosul e União Europeia

As vantagens do acordo entre Mercosul e União Europeia para a indústria brasileira

No final de junho os países do  Mercosul e União Europeia (UE) fecharam o maior acordo entre blocos do mundo. A negociação que durou cerca de 20 anos vai permitir a eliminação das tarifas sobre o imposto de exportação para mais de 90% dos produtos comercializados como itens agrícolas, industriais e maquinários. A soma dos dois blocos representa 25% da economia mundial, cerca de US$ 20 trilhões do PIB (Produto Interno Bruto) e 780 milhões de pessoas.

O novo acordo formará a maior área de livre comércio mundial e a UE deverá eliminar 100% de suas tarifas em um período de até 10 anos, favorecendo o comércio industrial. Para os produtos que não tiverem suas tarifas eliminadas, será feita a aplicação de cotas com valores reduzidos.

O acordo inclui três pilares: diálogo político, cooperação e livre comércio e vai contribuir para que os países de Mercosul possam ter condições equilibradas de competições em relação a países que possuem parcerias com UE. Ele também irá aumentar a competitividade econômica brasileira, oferecendo bens de capital e consumo mais baratos para os consumidores e produtores nacionais. Além disso, irá gerar mais investimentos, emprego e renda para o País com a ampliação e inserção do Brasil nas cadeias globais.

O que muda?

O acordo irá facilitar o comércio com a agilização e redução dos custos dos trâmites de importação e exportação de bens. Com a redução da burocracia, os operadores econômicos ficarão mais transparentes. O acordo trará para o País  um aumento de US$ 87,5 bilhões no PIB em um período de 15 anos, segundo o Ministério da Economia.

As pequenas e médias empresas também terão benefícios como: participação em compras governamentais, programas de capacitação, parcerias, joint ventures  e redes empresariais.

Os temas não tarifários terão uma ampliação na liberação do comércio, que visa torná-lo menos vulnerável e trará maior segurança para os investimentos. No entanto, para que as novas regras entrem em vigor, será necessária a ratificação por parte de cada Estado integrante dos blocos, que deverá ser aprovada por governos e parlamentos de 31 países.